Postagens

Mostrando postagens de 2013
Não sei se é a proximidade do Natal, que me deixou mais emotiva, mas hoje na volta do trabalho me contive para não chorar.
No ônibus muitas pessoas, caras cansadas, afinal já eram mais de 22 hs, adentram dois meninos, não tinham mais que 10 e 12 anos, 'pediram' para passar por baixo da roleta. Aparentavam ser pobres mas não de rua.
A moça, a cobradora, concordou, não esboçou nenhuma expressão de raiva, apenas deixou-os passar, estava lendo um livro e assim ficou.
Os meninos foram para o fundo do ônibus, perdi-os de vista. Daqui a pouco um deles volta com algo na mão e entrega a ela e volta correndo. Deu para ver por baixo do livro, era um bom-bom Sonho de Valsa. Não sei se alguém alcançou para eles para dar à moça, só sei que ela se vira para o fundo do ônibus, faz um sinal emocionado de que gostou e lança-lhes um sorriso.

Natal tem dessas coisas, pequenos gestos nos comovem...

Confraria Musical

Um certo dia resolvemos
confraternizar entre os amigos
o que não entendemos
foi a vontade louca
de nos unirmos cada vez mais

Decidimos colocar nome
nesta reunião deliciosa
fizemos uma votação
e escolhemos Confraria Musical

Discutimos a cada encontro
o cardápio do próximo
antes era a cada quinze dias,
depois foi toda a semana
e agora quando não nos encontramos
parece que falta um pedaço

A música foi um pretexto
para a reunião destas pessoas
hoje todos sabemos
que o amor era o motivo.

Não consigo disfarçar estou feliz as coisas tomam outra cor
Não sinto mais aquele vazio já não sinto  dor
Não estou mais a procura daquele arrepio  na espinha
Não preciso mais fazer tantas coisas para afugentar aquele frio
Não consigo deixar de pensar nos últimos tempos sem rir 
O que temos que passar até conseguirmos escrever  um belo poema

Silvana


Oportunidade

Ocasião
favorável
de melhorar
de se beneficiar

Uma oportunidade
quando aparece
não devemos
desprezar

Com agilidade
devemos pensar
na possibilidade
de algo fazer

Capacidade
de antever
que com criatividade
se pode vencer

Não deixe
o barco passar
não perca tempo
e nem a oportunidade

De encontrar a felicidade.

Silvana

Café

Imagem
Estimulada pelo  seu odor caminhou pelo corredor
Aquele perfume lhe causava infinito torpor
Vagarosamente deliciava-se com o seu  sabor
Como era  prazeroso beber ...
Silvana
Ando na rua
criança gargalha:

Do que acha graça
bela criança?

Da flor lilás
caída da árvore
enfeitando o capô
de um carro.

Silvana

Domingo

acordava cedo pelo costume
o corpo curtido já não
lhe permitia dormir
o cansaço era incrustado
em suas vísceras

acordava pensando
no trabalho
nas contas no final do mês
e nas coisas que fez

lembra dos amigos novos
dos últimos tempos
e nos antigos
que sente saudades

pensava nos amores
que fizeram feridas
e hoje tão longe
já não doem mais

dia de descanso
das pessoas normais
dormirem até meio-dia
almoçar com a família
passear no parque

curar a ressaca
lavar a roupa da semana
para a próxima de
trabalho

dia de ficar na frente
da televisão
assistir o Faustão (urgh!)
de pensar na decisão
do futebol

que maravilha
passou por tudo isto e
apesar de tudo
conseguiu escrever um poema

no domingo.


Silvana





Trocando em Miúdos

Chico Buarque Eu vou lhe deixar a medida do Bonfim
Não me valeu
Mas fico com o disco do Pixinguinha, sim!
O resto é seu Trocando em miúdos, pode guardar
As sobras de tudo que chamam lar
As sombras de tudo que fomos nós
As marcas de amor nos nossos lençóis
As nossas melhores lembranças Aquela esperança de tudo se ajeitar
Pode esquecer
Aquela aliança, você pode empenhar
Ou derreter Mas devo dizer que não vou lhe dar
O enorme prazer de me ver chorar
Nem vou lhe cobrar pelo seu estrago
Meu peito tão dilacerado Aliás
Aceite uma ajuda do seu futuro amor
Pro aluguel
Devolva o Neruda que você me tomou
E nunca leu Eu bato o portão sem fazer alarde
Eu levo a carteira de identidade
Uma saideira, muita saudade
E a leve impressão de que já vou tarde.
Por ser desenhista
só penso
com o lápis
na mão

Meu ponto de vista
antes desenhado
agora transformado
em declaração

Silvana
Sou desenhista
de formação
mas ultimamente
ando sem inspiração

Meu desenho
tomou outra coloração
comecei a escrever
Que tesão!

Silvana

Não sou 
nenhum Cazuza
muito menos 
uma Brastemp

Mas resolvi
decididamente
vou escrever
indefinidamente

Silvana

No Busão

Imagem
Tradução Versão Leitura Visão Ponto de vista Observação Tudo isto Dentro do busão.

Silvana

Estudando

Cabeça baixa
concentração
olhos atentos
no seu borrão

Lendo em voz baixa
evitando distração
coração mais lento
ouvindo a respiração

No final tudo se encaixa
vem à mente a associação
do professor ensinando
com a conclusão

Quero mesmo é
a aprovação
chegar ao fim
tirar 10 na avaliação

Silvana




Musicando

Imagem
Já perceberam
como nosso olhar toma outra forma dependendo da música que estamos a escutar?
Se ouvimos rock as coisas são "hard" nos sentimos fortes
Se ouvimos música suave tudo fica mais belo tudo é maravilhoso
Se ouvimos uma ópera
o mundo se transforma
o drama vira arte

E pensando através da música
o mundo vai se modificando

Pelo menos em nossa mente.

Silvana

Trajeto

Mudaram os caminhos
Mas ela continuava
A viajar
Para trabalhar

As ruas eram outras
A paisagem diferente
O que nunca mudava
Era a sensação em sua mente

Sensação de que andar
Observar, divagar
Pelas ruas antes de trabalhar
Era algo salutar

Morar em cidade grande
Tem destes favorecimentos
O trajeto é estimulante
Pois tudo é distante

Silvana

Da série: Viajando para trabalhar

O caminho era longo
dava tempo de tudo
ouvir música
ler, estudar
as vezes
até preparava
suas aulas
no trajeto
observar o congestionamento
era ponto pacífico
naqueles dias
um atropelamento
de repente modifica
o movimento
carros vão parando
para seu tormento
o acidente causou
todo um sofrimento
a ambulância chega
e para lhe tirar
de seu torpor
ouve ao longe
o cobrador:
- Um passo a frente por favor!

Bola Vermelha

Imagem
A noite mal dormida lhe deixava entorpecida fones nos ouvidos mal ouvia a música de repente em meio ao nevoeiro o céu se iluminou por trás das montanhas a mais bela  bola vermelha apareceu milagres da natureza pensou

Silvana

O visual pela janela
era desolador
o sol nasceu bonito
mas logo se escondeu
atrás das nuvens
as pessoas se enrolavam
em seus cachecóis de lã.

Dava pra perceber
que a pessoa não gostava
do inverno lá fora
os carros disputavam
um espaço nas avenidas
em obras para a Copa.

De repente
avistou uma árvore
uma araucária
em meio a cidade congestionada
ainda existe uma esperança.

Feliz foi trabalhar.

Silvana

Mente Inquieta

Imagem
Ela viajava
Viajava pela cidade
Viajava pelo pensamento
Viajava na maionese

Ao contrário da música
que ouvia seu pai cantar
 ♫"não, não posso parar,
se eu para eu penso
se eu penso eu choro" ♫
ela nunca parava.

Para pensar e estudar
precisava ouvir música
a música lhe acalmava
algo que não sabia explicar

Quando dirigia planejava
planejava seu dia
planejava sua vida
Planejar era sua diversão

Queria para a sua vida
Só o que ela tinha de melhor
Queria, como costumava dizer:
- Só tudo!

Escrevia quando possível
Mas quando não podia
ela viajava
Na sua maionese particular

Na sua mente inquieta
e sempre a querer
coisas
nem sempre
possíveis.

El Choclo

Imagem

Sereias

Imagem
Na praia da música Sereias poéticas Ornamentavam o mar e Suas espumas melodiosas
Tripulantes não resistiam À tão bela canção Nos rochedos sucumbiam Com sua embarcação
Ninguém subsistia A tão bela interpretação Afundavam ao som Da bela composição
Quem me dera Ter um Tritão Para (en)cantar E eu sucumbir a  seu belo caudão.
Silvana F. Pereira


Japão

Imagem
Não sei bem explicar O que me acontece Quando estou entre eles Meu coração floresce
Quando estamos juntos Nada de mal aparece A vida toma outra cor Nada me entristece
As atividades no campo Me enternecem As dores no corpo Até desaparecem
Depois de um dia cheio Sem que eu perceba anoitece Preparamos-nos para a reunião E a fogueira nos aquece
Nem que eu viva cem anos Deste tempo esquecerei Percebo que estas pessoas Em meu coração manterei
Não permita Deus Que do Grupo Escoteiro Japão Meus amigos me aparte não!

De volta

Imagem
A vida
gira, gira
e dá uma
reviravolta

E depois de
tanta volta
e muita
revolta

Hoje pouco me falta a felicidade me assalta
Tua face antes oculta agora esmalta e na minha vida
amor estás de volta.

Silvana F. Pereira

Vida nova

Meu horóscopo indicava Que a época era De me sentir com energia Com disposição para lutar por meus projetos pessoais
Que eu deveria me compreender Estar consciente das questões afetivas Para que as minhas relações amorosas Se tornassem mais proveitosas. Mas que relações?
Comecei a me compreender? Estou mais consciente? Não sei, só sei que me sinto bem Com disposição para falar, Escrever, ler, estudar.
Estou abrindo a mente Descobrindo um mundo diferente Fase de aprendizados E de disposição para encontrar A minha vida nova.

Sonhei...

Sempre trabalhei duro Para poder estudar E quem sabe um dia Me formar
O tempo passou Estudei, me formei Continuei a estudar E nem me toquei
As filhas cresceram E também continuaram o meu sonho de estudar
A mais velha concluiu o seu curso e hoje a menor, para meu orgulho Passou no vestibular
Alegria maior não há Ver os filhos encaminhados Atrás de seus próprios sonhos E o que é melhor: realizando-os.

Férias

Época do ano
Em que a preguiça aumenta
Diminui a vestimenta
Fica-se como baiano

Alguns fazem planos
Grande ferramenta
Para diminuir a tormenta
Que trás um engano

Como todo bom urbano
Quando viaja tudo experimenta
Até a mais quente pimenta
Mesmo que cause dano

Período em que todo ser humano
Que durante o ano alimenta
Vontade de sair e aguenta
Até o chefe mais tirano.

Tempo de revigorar o ânimo
É um sonho que orienta
Mantém e sustenta
O povo metropolitano.


Silvana F. Pereira
09.01.13