quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Andragogia

Ciência de ajudar
adultos a aprender
consegue mudar
e fazer entender

estimula a estudar
quem já tem experiência
eles conseguem assimilar
o teor de sua existência

com dedicação
aprendemos ao ensinar
geramos motivação
mais que se podia imaginar

o resultado deste ensino
é muito estimulante
nos sentimos meninos
é muito gratificante.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

SOS Poesia

Falar de poesia
É sempre uma emoção
Imagine falar
Da nossa exposição

Chegamos bem cedo
Na Casa de Cultura Mario Quintana
Para montar o local
Onde seria a exposição

Ana, Joel e Ida
Comprometidos, uma inspiração
Fiz o que estava na mão
Para a nossa exposição.

Mario Pirata o timoneiro
Mentor deste evento
Anima as pessoas da oficina
Com esta linda exposição

POR AMORES

por amores
tenho calores
e há rumores
que os sabores
como as flores
tem muitas cores
são tentadores

por amores
sinto suores
libero odores
nos arredores
não existem temores
desligo os motores
chega de dores

domingo, 20 de novembro de 2011

Dialética

formar professores
professores formados

profissional de ensino
ensino profissional

metodologia de aula
aula de metodologia


transmissão de conteúdos para formar idéias
idéias para transformar conteúdos em educação

aulas para construir conhecimento
conhecimento para construir aulas

educação tradicional
tradicionalmente educado

apropriação do saber
saber como se apropriar
                             deste mesmo saber.


Fiz este poema, na aula da pós em Formação Pedagógica.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Por um lindésimo de segundo

tudo em mim
anda amil
tudo assim
tudo por um fio
tudo estivesse no cio
tudo pisando macio
tudo psiu

tudo em minha volta
anda às tontas
como se todas as coisas
fossem todas
afinal das contas

Paulo Leminski

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Ai Que Saudade De Ocê (Vital Farias)

Não se admire se um dia
Um beija flor invadir
A porta da sua casa
Te der um beijo e partir
Fui eu que mandei o beijo

Que é pra matar meu desejo
Faz tempo que eu não te vejo
Ai que saudade de ocê
Ai que saudade de ocê

Se um dia ocê se lembrar
Escreva uma carta pra mim
Bote logo no correio
Com frases dizendo assim
Faz tempo que eu não te vejo
Quero matar meu desejo
Lhe mando um monte de beijos
Ai que saudade sem fim
Ai que saudade sem fim

E se quiser recordar
Aquele nosso namoro
Quando eu ia viajar
Ocê caia no choro

Eu chorando pela estrada
Mas o que eu posso fazer
Trabalhar é minha sina
Eu gosto mesmo é de ocê.

Não se admire se um dia
Um beija flor invadir
A porta da sua casa
Te der um beijo e partir
Fui eu que mandei o beijo
Que é pra matar meu desejo
Faz tempo que eu não te vejo ....

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Pôr do sol

houve um tempo em que
íamos a praia de Ipanema
só para apostar a que horas
seria a caída da bola

bem no fundo sabíamos
o motivo era outro
tomar uma cerveja
no bar em frente a praia

mas como para beber
sempre se arranja motivo
no verão sempre arranjávamos
a aposta do horário

quando chega o verão
ainda lembro daqueles dias
em que o sol "nos olhava"
no bar bebendo cerveja.


domingo, 6 de novembro de 2011

Amor de minha vida

desde a primeira vez que o vi
amei aquela pessoa
por ele fiz loucuras
era o amor de minha vida

a cabeça não pensava
o coração sempre pulava
quando vinha a meus olhos
o amor de minha vida

por um tempo esperei
por um tempo eu o tive
por um tempo fui feliz
com o amor de minha vida

o amor quando aparece
é difícil controlar
loucuras acontecem
é o amor de sua vida

posso agradecer a Deus
e dizer que um dia
 estive contigo
amor de minha vida

Solidão

às vezes é bom
mas sempre apavora
filhos crescem 
vão embora

reaprender a viver
achar um alguém
parece fácil
mas onde andas?

alegre estou
neste dia de sol
tudo melhorou
chorar para trás ficou



terça-feira, 1 de novembro de 2011

"A maior riqueza do homem
é a sua incompletude.
Nesse ponto sou abastado
Palavras que me aceitam como sou - eu não aceito.


Não aguento ser apenas um sujeito que abre portas,
que puxa válvulas, que olha o relógio,
que compra pão às 6 horas da tarde,
que vai lá fora, que aponta lápis,
que vê a uva etc, etc.


Perdoai
Mas preciso ser Outros
Eu penso renovar o homem usando borboletas."

Manoel de Barros