domingo, 24 de abril de 2016

Folha de papel

a folha de papel vazia
chamava um poema
mas a cabeça 
nada trazia

a folha continuava ali
nem um fonema
sem nada 
apenas uma azia

a folha sobre a mesa
como num dilema
de escolhas opostas
nada dizia

a folha já sem esperança
concluiu acabou o problema
com uma rajada de vento
ela jazia

Silvana F. Pereira